Opinião: “As Filhas da Lua” de Maria Coriel

As Filhas da Lua
Maria Coriel

Edição/reimpressão: 2005

Editor: Planeta Editora

ISBN: 9789727311675

Sinopse: Nesta estória de contornos suaves Maria Coriel deixa-nos uma mensagem: o que realmente importa na vida é o que sentimos e com quem partilhamos as experiências que colhemos no tempo. É desta essência fina que construímos a alma e alimentamos o sonho que nos move.
«Silencioso e de contornos pouco definidos, como o crepúsculo e o alvorecer, este é um livro que sem alvoroço nem alarde fala do sentido da experiência humana. Num cenário a que presidem dois planetas – a Terra e a Lua – misturam-se estórias e tempos, perdas e perdições, doenças e curas, amores e cumplicidades…
É de tudo isto que, como se fosse com raízes, plantas e bagas preparando uma mezinha de cura para o corpo e afago para a alma, Maria Coriel trata neste livro. Oxalá que com ele cada um se lance e relance na demanda do sonho de sua alma…»
Maria de Fátima Rosado

Opinião: Já não lia um livro que abordasse esta temática há algum tempo. Basicamente o livro leva-nos a reflectir sobre a forma como vemos a vida, como as vidas se cruzam e convergem finalmente na temático que todos os deuses são um nas suas várias formas e feitios, e que não há vida nem caminho possível sem amor.
Como diz no próprio livro “O amor não faz parte do caminho. O amor é o caminho.”
Também neste livro se aborda a relação das mulheres com a lua e dos homens com a Terra. Sempre virado principalmente para a vertente feminina, encontramos outra vez a temática da Deusa. A Deusa neste livro manisfesta-se e pretende mostrar, que tenha o nome de Virgem Maria, tenha o nome de Maria Joaquina, a Deusa é sempre a mesma.
Falando do livro em si, achei a escrita um pouco… Confusa e desconexa por vezes. Acredito que tenho sido intenção da autora deixar mesmo assim, mas para quem não consegue ler o livro todo de seguida e deixa marcado o final de um capítulo, ao ler o próximo já não se consegue situar muito bem. Tem umas quantas estórias a decorrer em paralelo em tempos diferentes. Espelhos umas das outras.
A autora também acabou por se repetir um pouco. Para um livro tão pequeno, não chega a 140 páginas, insistiu muito no mesmo, explorando pouco a grande temática que é as faces dos deuses, a passagem de costumes e o amor como parte integrante da nossa vida.
Foi um livro razoável.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide