Deuses Lusitanos – Durbedicus

O Deus das Águas

A ara que contém a única inscrição conhecida dedicada ao deus lusitano Durbedicus foi encontrada por Martins Sarmento em 1881, na torre da igreja de Ronfe, em Guimarães. Actualmente encontra-se exposta no Museu de Guimarães.

Existem várias interpretações sobre o significado de Durbedicus, embora a maioria dos autores esteja de acordo em atribuir-lhe um carácter aquático.

Adolfo Coelho interpreta o nome desta divindade como “o que goteja” ou que “faz gotejar”. Diz-nos ainda que esta “denominação conviria a um deus dessas fontes escassas que muitas vezes são consideradas como em extremo milagrosas”. Por outro lado afirma que este nome poderá igualmente ligar-se ao “antigo irlandês derb – ‘certo’, ‘verdadeiro’, ‘ilustre'”.

Segundo Leite de Vasconcelos, Durbedicus seria “um deus aquático – ou de uma fonte, ou do rio Avus, que passa perto de Ronfe”. Vasconcelos associa ainda o prefiro durb– aos termos irlandeses dobor, dobur e dobhar, que significam “água”, e refere o nome de dois rios com esta mesma raiz: Durbis (Bretanha) e Durbiae (Gália)

O Deus Muito Vitorioso

Para além destas interpretações já conhecidas, que nos seja permitido, porém, lançar mais algumas hipóteses, decompondo Durbedicus em DurBedicus, ao contrário da habitual decomposição a partir de Durb-. Em irlandês antigo, Duir significa “carvalho” e “forte”. É igualmente associável ao português “duro”, também ligado à noção de “força”. A raiz indo-europeia Dru– representa a palavra “muito” (análogo ao francês trés). Por outro lado, a raiz celta bouda significa “vitória” e o escocês buaidheach “eficiente”. Lembremo-nos do nome da famosa raina celta Boudica, que liderou uma revolta contra a invasão romana na Grã-Bretanha, cujo nome significa “vitoriosa”. Existe inclusive uma inscrição com o nome Boudica na Lusitânia. Por esta ordem de ideias, somos tentados a interpretar Dur-Bedicus como o “muito vitorioso”, “carvalho da vitória/força”. Duberdicus poderia assim ser uma divindade guerreira à qual a tribo apelaria para vencer nos combates.

Alexandre Gabriel

Mandrágora – O Almanaque Pagão 2009 – Usos e Costumes Mágicos da Lusitânia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!