Entrevista aos Riding Pânico, Banda Portuguesa

Recentemente lançaram mais um novo vídeo e já vão no seu segundo álbum. São eles os Riding Pânico constituídos pelos Carlos BB, Makoto Yagyu, Jorge Manso, Joao Nogueira, Shela e Fabio Jevelim. Surgiu a oportunidade de os entrevistar e o simpático Shela aceitou responder a umas quantas perguntas. Sendo um estilo de música que aprecio e ainda por cima portugueses, foi com muito gosto que elaborei esta entrevista e só posso esperar que vocês tenham curiosidade em ouvi-los. 

Olá Riding Pânico! Em primeiro lugar, obrigada pela vossa disponibilidade em responderem a algumas questões. A primeira que tenho para vós, e porque sou muito curiosa, está relacionada com o nome da banda! Porquê o nome Riding Pânico?

Por causa de uma foto que o Jorge tirou na carrinha do BB, quando vinham dum ensaio.

Como é que caracterizam a vossa música? O que é que pretendem transmitir ou expressar com ela?

Musica instrumental. Pretendemos transmitir sensações e/ou experiências, que poderão ser tão mais intensas quão mais imaginativos forem os ouvintes.

Faz cinco anos que lançaram o primeiro álbum de longa-duração “Lady Cobra”. Que balanço fazem destes últimos cinco anos?

Foram agradáveis, entre outros projectos e entre amigos, a culminar com mais um disco: Homem Elefante.

Este ano o vosso público teve direito a mais um álbum de longa-duração “Homam Elefante”. O que é que este álbum traz de novo? Sentem alguma evolução na vossa música ou até mesmo em vós próprios?

Sim, exactamente isso, mas pela ordem inversa: evolução em nós próprios e evolução na nossa  música. Temos um amigo novo que não entrava no outro disco, o Fábio Jevelim, que apesar do som de guitarra aparenta ser uma pessoa normal.

Que bandas/músicos é que sentem que influenciam a vossa música? Sei que alguns membros têm outros projectos musicais paralelos… Esses mesmos projectos influenciam-vos? Foi fácil criar uma identididade própria e independente?

Este projecto aparece antes dos outros todos, por isso se calhar é ao contrário, a identidade Rp já existia. Ter outros projectos paralelos só traz boas coisas ou influências à música de Rp, isso é mesmo encorajado no seio da banda, muitas vezes sem resultados práticos em alguns dos elementos, outras vezes com sucesso, como é o caso de PAUS ou Pernas de Alicate.

O facto na vossa banda não haver parte vocal tem algum impacto na receptividade da vossa música ou, pelo contrário, ninguém dá por falta dela? Pretendem eventualmente vir a adicionar essa componente?

Não ter voz acontece por ninguém ter sentido essa necessidade, a de cantar ou se expressar através da voz. Poderá acontecer no futuro ou não, depende da mesma razão.

Conseguem imaginar o que é que os vossos fãs sentem ao ouvir-vos? Já vos aconteceu dizerem que a vossa música os ajudou ou que os mudou de alguma maneira?

Não consigo imaginar isso, estou no mesmo processo enquanto toco, só consigo embarcar numa viagem de cada vez, mas a tua ideia é interessante. A mim nunca aconteceu dizerem-me nada do género sobre a nossa música.

Em que locais gostaram mais de actuar? Há algum em específico que vos faça sentir como se estivessem a voltar a casa?

Barcelos, no Milhões de Festa.

Enquanto leitora não consigo desassociar a música da literatura. Quase todos os livros têm algum tipo de banda sonora e, inclusive, existem autores que só conseguem escrever a ouvir música. Que tipo de livro é que acham que a vossa música poderia inspirar?

Não faço a mínima ideia, essa pergunta deveria ser feita a um escritor, posso sugerir é alguns a quem poderias perguntar: Almada Negreiros, Boris Vian, qualquer um dos Profetas.

E vocês, costumam ler ou escrever? Algum livro preferido que queiram mencionar e que até vos possa ter influenciado de alguma maneira? 

Nenhum em particular.

Têm algum sonho, algum objectivo, que ainda não tenham concretizado, mas que anseiem? 

Voar.

Que projectos têm em mente para o futuro?

Fazer mais um disco já no início do ano que vem, ou um ep.

Agora uma pequena pergunta da praxe que faço a todos os entrevistados: já conheciam o blog BranMorrighan? O que acham do espaço? Que mensagem podem deixar aos seus leitores?

Não conheço, vou ver agora o espaço. 

Mensagem: ouçam música, mas sejam críticos e exigentes no que ouvem!

Mais sobre os Riding Pânico no blog: http://www.branmorrighan.com/search/label/Riding%20P%C3%A2nico

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!