Entrevista a Paulo Ferreira, Escritor/Consultor Editorial Português

Nem só de escrita vivem a maioria dos autores portugueses e hoje trago-vos mais um exemplo disso. Paulo Ferreira é, para além de escritor, consultor editorial na já nossa conhecida Booktailors e achei que seria pertinente termos aqui presente alguém que simultaneamente está nos dois lados da edição. Com um romance já publicado e outro a caminho, passemos então a conhecer mais sobre Paulo Ferreira:

Fala-nos um pouco sobre ti:

Paulo Ferreira tem 33 anos. Vive em Lisboa, onde nasceu, mas cresceu no Ribatejo. Formou-se na biblioteca pública de Vila Franca de Xira. Mais tarde tirou uma licenciatura em Relações Internacionais (período da sua vida em que menos leu) e uma pós-graduação em edição de livros. Ingressou no mundo da publicidade em 2002 e gostou, mas como não queria levantar-se todos os dias para ir trabalhar, em 2006 criou o projecto Booktailors, que se dedica ao mundo do livro. Em 2011, publicou o primeiro romance e correu a sua primeira maratona (no Porto, cidade fetiche, estava um dia lindo). É gestor, agente literário, programador de eventos literários. Anda às voltas com um romance que quer publicar em 2015.

Enquanto escritor, como caracterizas o teu estilo e ritmo de escrita?

O ritmo é ao nível do que o resto da vida, e sobretudo a vidinha, nos permite. Não sou autor a tempo inteiro. Escrevo não quando tenho tempo (esse, apesar de pouco, arranja-se sempre), mas quando tenho disponibilidade. Quando se escreve apenas se escreve. E para chegar ao momento em que apenas se escreve, tem de primeiro ler-se, ver cinema, ouvir música, conversar. Respirar.

Que elementos influenciam o que escreves?

Os elementos são, parece-me, os do costume. A vida é a grande fonte de inspiração.

Tens uma obra editada cujo título é Onde a Vida se Perde. Fala-nos um pouco sobre ela e o que te inspirou para a escreveres.

Onde a vida se perde conta a história de alguém a quem é diagnosticado um cancro. Pedro tem seis meses de vida e quatro mulheres a quem nunca fechou a porta. Que decide ele fazer? Juntar à mesma mesa, num jantar, essas quatro mulheres. É esse percurso amoroso, que encerra mais de uma década, que acompanhamos, tendo o leitor lugar à mesa neste jantar. Quis escrever sobre situações limite, sobre o que mais importante fica. Sobre o que verdadeiramente valorizamos quando temos pouco tempo (quase sempre).

A tua formação na área da edição e marketing de livros contribuiu de alguma maneira para a tua veia como escritor?

Só num tópico: estou a escrever para leitores (o público-alvo, o target, em marketês). É para eles que cada palavra é escrita. Não vale a pena dizer, nem isso faria sentido, que escrevo de costas voltadas para quem quero que me leia (o maior número de pessoas possível). Quero contar histórias o melhor que conseguir, não faria sentido achar que me posso impor sem ouvir (respeitar) quem está do outro lado.

É do conhecimento geral que o Blogtailors é um blog de referência no que diz respeito à edição. Sendo tu um dinamizador deste mecanismo, que visão é que tens do mundo editorial português e da sua receptividade quanto a novos autores (portugueses, claro)? 

Não é só a edição que passa tempos complicados; estamos numa fase delicada e, naturalmente, isso reflecte-se na edição. Apostar em novos autores é começar do zero, é necessário um investimento muito grande para que esses autores possam ter um espaço próprio. Por isso, diria que neste momento a tendência (e vertigem) para o risco de publicar novos autores é (compreensivelmente) menor. Mas esse espaço tem e vai existir sempre. De outra forma, só tinhamos Eça e Camilo nas estantes (o que não seria necessariamente mau, mas estaríamos todos limitados daquilo que é o nosso património imaterial).

Que evolução é que achas que o mercado literário português vai ter nos próximos tempos? Mais apostas em best-sellers? Menos apostas em autores nacionais ou, pelo contrário, um maior interesse em explorar o que é nosso? 

Apostas e mercado editorial na mesma frase, no contexto em que vivemos, é uma contradição de termos. Poucos editores podem dar-se ao luxo de arriscar. Mas há excepções.

Tens algum projecto em mente para um futuro próximo?

Tenho um romance, já com título e cinquenta páginas, que gostaria de publicar em 2015.

Por fim, pergunta da praxe. Já conhecias o blog Morrighan? Tens alguma opinião formada sobre o mesmo?

Olho para o blog como uma plataforma de uma leitora que olha nos olhos os leitores. No fundo, aquilo que qualquer escritor almeja.

Obrigada, Paulo, pela simpatia e disponibilidade.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Anónimo
Anónimo
7 anos atrás

Não devias ter entrevistas com gente deste "calibre". Este gajo é um chulo de primeira e até nas respostas se nota a condescendência…

  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide