Aquisições de Abril de 2014

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/04/opiniao-corrida-perversa-lizzy-diesel-2.html

« A vida pacata de Lizzy Tucker está prestes a ser virada do avesso, quando Diesel, o seu espetacular e maravilhoso parceiro nas investigações do sobrenatural,  a desafia para salvar o mundo. Uma vez mais.Depois de terem encontrado a Pedra da Gula, a chef de pastelaria e o mais sexy caçador de recompensas do oculto de Boston continuam à procura das restantes seis pedras Saligia que, segundo as lendas, detêm o poder de cada um dos sete pecados mortais.

Quando Gilbert Reedy, professor da Universidade de Harvard, é misteriosamente assassinado e atirado da varanda do 4.º andar da sua casa, pistas ligam o homicídio a Wulf Grimoire, uma figura do lado negro com quem Lizzy e Diesel já se haviam cruzado. Wulf está determinado em reunir as sete pedras para, com o seu poder, dominar o mundo, e desconfia-se precisamente que Reedy foi morto às suas ordens por estar a investigar a Pedra da Luxúria.

Seguindo as pistas que constam de um críptico livro de sonetos do séc. XIX, Lizzy e Diesel partem à descoberta da Pedra, que se pensa estar investida do poder da luxúria, deixando atrás de si um rasto de sepulturas profanadas, distúrbios da ordem pública e o caos generalizado.»

Depois de seu confronto com o homem de preto no final de  O Pistoleiro, Roland acorda e encontra três portas na praia  do mar Ocidental. Todas elas o conduzem a Nova Iorque,  mas em três momentos distintos no tempo. Através destas  portas, Roland vai ao encontro das três personagens cruciais para a sua busca da Torre Negra. 

Em 1987, ele encontra Eddie Dean, o Prisioneiro, um jovem viciado em heroína. Em 1964, conhece Odetta Holmes, a Senhora das Sombras, uma afro-americana que perdeu as pernas num acidente de metro e ganhou uma segunda personalidade. E em 1977, encontra Jack Mort, um homem responsável por crueldades inimagináveis. 

Será que Roland encontrou novos companheiros para a demanda? Ou terá ele desencadeado algo Totalmente diferente? 

Vanessa «Michael» Munroe trabalha com informação. Depois de escapar a uma infância traumática numa África Central sem lei, a sua formação e o seu treino permitem-lhe obter todo o tipo de informações, independentemente do cenário de operações onde se encontre. Por isso, é agora requisitada por empresas, instituições, chefes de estado e clientes privados que podem pagar os seus serviços únicos no mundo.

Quando um bilionário texano do mundo do petróleo a contrata para encontrar a sua filha desaparecida em África, Munroe regressa a um mundo selvagem e profundo que tão bem conhece, enfrentando forças misteriosas que estão determinadas em manter em segredo o destino da rapariga desaparecida. Para ter alguma esperança de sair da selva com vida, Munroe vai ter de enfrentar, finalmente, os fantasmas do passado que durante tanto tempo fez por esquecer.

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/05/opiniao-faca-acontecer-lean-in-de.html

Passaram já 30 anos desde que as mulheres se tornaram metade da população com formação universitária nos Estados Unidos. Contudo, são os homens que ainda estão à frente da maioria dos cargos mais elevados nas empresas e nos governos. Embora fatores como a discriminação constituam obstáculos reais à ascensão das mulheres a lugares de poder, elas são também condicionadas por crenças e atitudes enraizadas no subconsciente. Com Faça Acontecer Sheryl Sandberg pretende analisar e ajudar a derrubar estes obstáculos. Num tom bem-humorado, perspicaz e sobretudo realista, este livro encoraja as mulheres a não desistirem de desenvolver o seu potencial.

Acabada de mudar de cidade, Joey Gray sente-se um pouco perdida, até que conhece um misterioso e atraente rapaz perto da sua nova casa. Mas Tristan Halloway não é o que aparenta ser à primeira vista. E há uma razão muito especial para ele andar a vaguear por entre as sepulturas do cemitério da cidade…

Mais do que uma história sobrenatural, Lost Boys fala sobre o amor absoluto, a música e a amizade. Conhece Joey Gray e os seus rapazes enquanto embarcam na maior aventura das suas vidas!

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/05/opiniao-esposa-minuscula-de-andrew.html

Um ladrão entra por um banco dentro armado com uma pistola pronta a disparar, mas não pede dinheiro. Em vez disso, exige a cada cliente o objecto que tenha para si maior significado. O ladrão parte e todas as vítimas do assalto sobrevivem, mas coisas estranhas começam a suceder-lhes pouco depois: a tatuagem de uma sobrevivente salta-lhe do tornozelo e persegue-a; outra acorda e descobre que é feita de rebuçado; e Stacey Hinterland descobre que encolhe, gradualmente, um pouco a cada dia que passa, e nada que o marido ou o filho possam fazer conseguirá inverter o processo. A Esposa Minúscula é uma fábula sobre como podemos perder-nos nas circunstâncias e encontrar-nos no amor de outra pessoa. 

Arrebatador e sedutor, este romance da nova série Fever leva o leitor a embrenhar-se nas aventuras de MacKayla Lane, a vidente de sidhe que se vê obrigada a afrontar uma Dublin infestada de Fae.

Quando Mac recebe uma página arrancada do diário da irmã morta, fica aturdida com as palavras de Alina. E sabe agora que o assassino da sua irmã está por perto. Mas o mal está mais perto ainda. A vidente de sidhe anda à caça: de respostas, de vingança. E de um antigo livro da mais negra magia, tão maléfico que corrompe quem quer que toque nele.

A demanda de Mac pelo Sinsar Dubh leva-a a percorrer as ruas escuras e ameaçadoras de Dublin com um suspeitoso polícia no seu encalço. Forçada a uma perigosa aliança triangular com V’lane, um letal Príncipe Fae, e Jericho Barrons, homem de mortais segredos, Mac não tardará a ver-se enredada numa batalha pelo seu corpo, mente e alma.

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2015/01/opiniao-como-e-linda-puta-da-vida-de.html

«O que espanta num gato é a maneira como combina a neurose, a desconfiança e o medo – para não falar numa ausência total de sentido de humor – com o talento para procurar e apreciar o conforto e, sobretudo, a capacidade para dormir 20 em cada 24 horas, sem a ajuda de benzodiazepinas.

O gato é neurótico mas brinca. (…) Mas, acima de tudo, descobriu o sistema binário da existência.

Que é: dormir faz fome. Comer faz sono. Acordo porque tenho fome.

Adormeço porque comi. Nos intervalos, faço as necessidades.»

OPINIÃOhttp://www.branmorrighan.com/2014/06/opiniao-biografia-involuntaria-dos.html

Numa estrada adormecida da Galiza, dois homens atropelam um javali. A visão do animal morto na estrada levará um deles — Saldaña Paris, um jovem poeta mexicano de olhos azuis inquietos — a puxar o primeiro fio do novelo da sua vida. Instigado pelas confissões desconjuntadas do poeta, o seu companheiro de viagem — um professor universitário divorciado — irá tentar descobrir o que está por trás da persistente melancolia de Saldaña Paris.

A viagem de descoberta começa com a leitura de um manuscrito da autoria da ex-mulher do mexicano, Teresa, que morreu há pouco tempo e marcou a vida do poeta como um ferro em brasa. O narrador não poderia adivinhar (porque nunca podemos saber as verdadeiras consequências dos nossos actos) que a leitura desse manuscrito teria o mesmo efeito sobre a sua vida.

As páginas escritas por Teresa revelam a sua adolescência no seio de uma família portuguesa contaminada pela desilusão: um pai ausente e alcoólico, um tio aventureiro e misterioso, uma mãe demasiado protectora. Mas o que ressalta com maior vivacidade daquelas páginas é o relato enternecedor do seu primeiro amor, ao mesmo tempo que começam a insinuar-se na sua vida realidades grotescas e brutais. Confrontado pela primeira vez com a suspeita dessa terrível possibilidade, Saldaña Paris mergulha numa depressão profunda. Determinado em libertar o amigo do poder corrosivo do mal, o nosso narrador compõe então, peça a peça, a biografia involuntária dos dois amantes. Uma biografia que passa pelo desvelar do passado, para que este não contamine irremediavelmente o futuro.

Ernestina é mais do que um romance autobiográfico ou um volume de memórias de famílias ficcionadas. É um fresco de Trásos- Montes, dos anos 1930 aos anos 1950, um romance que transcende o relato regionalista e que transpôs fronteiras, transformando-se num fenómeno editorial na Holanda.

Ernestina é também o nome da mãe do autor e da intrépida protagonista deste livro. Sobre ela J.Rentes de Carvalho disse: «Mãe de um só filho, a sua vida, que foi uma de tristeza, amargura e terrível solidão, dava um livro. Escrevi-lho eu. E a sua morte quebra o último elo carnal que me ligava à terra onde nasci. Felizmente são ainda muitos os laços que a ela me prendem.»

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!