[Música] Opinião: Cornerstone, de Brass Wires Orchestra

Informações gerais sobre o disco

http://www.branmorrighan.com/2014/09/musica-cornerstone-dos-brass-wires.html

Chegou ontem, cá a casa, esta edição maravilhosa dos Brass Wires Orchestra. Se muitas vezes a beleza de um disco não está apenas na sua música, esta é uma dessas vezes. A edição física está lindíssima. O grafismo apelando ao imaginário folk, a descoberta ao abrir a caixa, ao retirar o pequeno livrinho com as letras das músicas e a informação técnica, tudo isto contribui para que de repente nos vejamos fora do local onde nos encontramos, transportados para uma floresta frondosa, entre montanhas e cascatas, numa corrida pela liberdade e tranquilidade. 

Começando pela Wash My Soul e atravessando a Tears of Liberty, é precisamente esse sentimento, essa busca pela libertação de todo o tipo de amarras e pelo entendimento de si mesmo. Continuando a caminhar, somos confrontados, em The Lost King, por uma melodia mais melancólica, crescente, numa imagética de alguém que perdeu o seu próprio rumo. People & Humans traz novamente uma mensagem positiva, em que existe sempre mais do que pode parecer a uma primeira vista. Este crescendo positivismo encontra nova alegria em Love Someone, onde basta gostar-se de alguém e não se sentir medo para que o Sol brilhe sempre. O espírito apaixonado continua em Finders Keepers em que por muito que hajam mudanças, é sempre possível encontrar segurança em alguém. Anchor contraria um pouco esta tendência, numa espécie de pedido de ajuda, de encontrar um sentido nos sonhos e em si mesmo. Time traz uma mensagem muito forte, de segurança, conforto e confiança no outro. Já Prophet Child coloca em música a narrativa de alguém que consegue ver a destruição dos tempos e o fim do tempo do homem, mas que é totalmente ignorado, sendo imperativo que se ganhe novamente a confiança do planeta antes que se torne tarde demais. O disco termina com The Life I Chose, como um culminar da afirmação do indivíduo enquanto portador identidade própria e independente, assumindo a liberdade como um essencial mandatário e um grito de independência. 

Talvez tenha divagado, talvez não, mas ao entrar neste disco, consigo imaginar umas quantas narrativas para cada música. Não será esse um pouco o propósito da música folk? A passagem através da música de tantas ideias e ideais, por vezes em tom poético, narrando uma evolução? Para mim é claro que este é um disco rico em conteúdo não só lírico como sonoro. Existe uma harmonia entre a diversidade instrumental que, mesmo sendo fácil associar outros músicos como Beirut ou Mumford&Sons, lhes dá um carimbo próprio e é com orgulho que reparo numa certa nacionalidade em cada uma das músicas. Está mesmo na hora do nosso país acordar para a riqueza musical que tem em si mesmo em vez de andar sempre em busca do que se faz lá fora. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide