[Reportagem] Ben Frost – The Centre Cannot Hold – no Teatro Maria Matos

Fotografia José Frade 

Conheci o trabalho de Ben Frost através de um músico português, o Ricardo Remédio. Na altura pedi-lhe para fazer uma playlist para o blogue e Venter, do disco “AURORA”, fazia parte dessa playlist. Desde então que desenvolvi um certo fascínio pelo trabalho de Ben Frost. Existem texturas, conjugações sonoras e paisagens electrónicas a que só ele parece conseguir dar forma e provocar uma série de emoções. São como bandas sonoras de cenários que nos são arrancados do âmago. Isso ou apenas dimensões que vão sendo construídas e nas quais mergulhamos sem sabermos bem onde estamos, mas onde queremos permanecer. “The Centre Cannot Hold” corresponde a esta última sensação. E aqui faço um parêntesis. Já viram a série alemã da Netflix, Dark? A música original é da autoria do Ben Frost e, dadas as características da série, da fotografia, dos enquadramentos e do enredo, comecei a associar a série um pouco a este universo do disco. 

Pouco depois das 22h já o público estava sentado. Para uma Terça-feira à noite foi admirável como a sala encheu. Ainda com as luzes de plateia ligadas, já uma instalação visual/sonora se fazia ver/ouvir. Assim que as luzes se desligam, o silêncio entre o público impera. Ben Frost sobe ao palco e é como se todos suspendêssemos um pouco a respiração. O jogo entre a melodia, a distorção e os ritmos impostos levam-nos a viajar pelo vazio, pela escuridão, pelo fim, mas também pelo início, por ciclos de morte e renascimento num jogo de luzes que consegue manter as sombras afastadas o suficiente para também sentirmos luz no seu trabalho. A instabilidade dos tempos é aqui colocada como ponto visceral da criação artística de Ben Frost. Toda a arte visual que acompanhou o concerto, desde plana a tridimensional, ajuda a criar uma espécie de hipnose. Todo o concerto é desafiante, até mesmo violento. Todo o corpo vibra com as projecções sonoras e a mente inquieta-se. Não é fácil falar de um espectáculo destes pois acredito que é daqueles que é vivido de forma muito pessoal por cada um. A noite de Terça-feira, no Teatro Maria Matos, foi uma autêntica obra de arte e Ben Frost o artista que usa a imperfeição para criar perplexidade, abismo e, ao mesmo tempo, esperança. 

Fotografia José Frade
Fotografia José Frade
Fotografa José Frade
Fotografia José Frade 
Fotografia José Frade
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide