Opinião: A Casa do Sonho Pagão de João Pedro Duarte

A Casa do Sonho Pagão

João Pedro Duarte

Editora: Esfera do Caos

Nº de Páginas: 253

Sinopse: Uma história de amor e traição de inspiração gótica, passada em Lisboa, numa Casa que reúne um grupo de jovens com muitas cicatrizes da vida. Vagabundos que procuram afectos nos labirintos da sociedade contemporânea e que encontram os seus valores no paganismo, música, dança, sexo, droga e artes circenses. Paira sobre eles o Corvo de uma fábula infantil, o herói corajoso que não desiste de lutar pelo seu Sonho. Uma conspiração vai alterar o curso dos acontecimentos. No combate entre a inocência e a violência, qual será o destino da Casa do Sonho Pagão?

Opinião: Ler este livro foi um misto de aventura e apreensão. Tal como diz na sinopse, o livro retrata um grupo de jovens pagãos, todos eles muito diferentes uns dos outros, mas que vão comunhando para um mesmo fim – a sobrevivência da Casa do Sonho Pagão. Ou assim pensamos nós. A Casa do Sonho Pagão é onde o grupo se reúne e onde ensinam a Arte às crianças.

O romance está muito bem delineado, tem uma trama bastante envolvente em que a intriga está sempre presente despertando a nossa curiosidade a cada segundo que passa.

Ao longo do romance, vai sendo contada uma história paralela – O Corvo da Crista Grisalha – que em muito nos mostra, de outra forma, o que vai acontecendo ao longo do livro.

Ao início achei a escrita um pouco confusa mas, ao longo do livro, esta foi evoluindo e foi sendo cada vez mais fácil de ler. Gostei bastante da história no geral. Achei alguns desfechos genialmente dramáticos em que o autor consegue transmitir exactamente aquilo que se calhar qualquer um de nós sentiria e mostra também a inevitabilidade dos acontecimentos.

Com uma linguagem entre as personagens extremamente real, o livro é um misto de riso e espanto.

No entanto, tenho que apontar alguns aspectos menos bons. Quanto à escrita acho que o primeiro terço do livro tem demasiados entrangeirismos e que é utilizada uma linguagem demasiado real. Como posso transmitir isto? Expressões como “ya”, “Ché”, ou outras do género, eu ouço na rua mas não estou habituada a ler num livro. Por outro lado, compreendo que, se essas expressões não estivessem lá, talvez não fossem tão características.

Depois outro aspecto pessoal e, peço a quem está a ler esta opinião, que tenha consciência disso mesmo. É uma crítica minha, sob a minha prespectiva.

Como toda a gente que frequenta este blog já deve ter reparado, sou pagã. Sou e não tenho vergonha de o admitir, apesar de tanto preconceito que ainda há nos dias de hoje.

Quando comecei a ler este livro, pensei que fosse tratar de forma mais fiel a imagem dos pagãos. O autor teve, sim, o cuidado de pesquisar certas práticas wiccanas e tentou transmiti-las de forma fiel. Eu como sou druida, essa parte pouco me afectou. O que me afectou um pouco foi a imagem que acho que o livro transmite dos pagãos.

Do meu ponto de vista, pareceu-me que todos os pagãos são malucos, ou têm taras, ou andam metidos na droga ou são delinquentes.

Achei que este aspecto ficou pouco trabalhado. Há que ter em conta que o paganismo ainda é visto com maus olhos por muita muita gente. Enfim, é mais um desabafo que outra coisa. Com isto não pretendo denegrir o livro, de forma nenhuma!!!

Acho que o livro está bastante interessante, é um romance bom de se ler com acontecimentos imprevisiveis e que ao mesmo tempo relatam tanto da humanidade.

João Pedro Duarte é, assim, um autor a ter debaixo de olho. Certamente irei ler o seu outro livro publicado.

Nota: 7/10

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vc
Vc
10 anos atrás

É mesmo a tua cara, Morrighan!

  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide