Paganismo – Litha / Solstício de Verão (dia entre 20 e 22 de Junho)

Litha (ou Meio do Verão ou Alban Hefin), coincidente com o Solstício de Verão, é o festival pagão que se realiza entre 20 a 22 de Junho (dependendo do ano) e que é dedicado ao Deus Sol.

Este é o dia mais longo do ano, quando o Sol atinge o seu zénite e está no seu auge, mas também é o dia que representa o início do declínio do Deus. A partir deste dia, os dias vão ficando cada vez mais pequenos até que em Yule (Solstício de Inverno) o Deus “morre” (o dia mais pequeno do ano) para voltar a renascer. É assim um marco que assinala o início da metade escura do ano.

Litha é, assim, um festival do fogo, em que o carvalho – árvore que representa o Deus – floresce.
A Deusa e o Deus estão no êxtase de sua união e vemos a Natureza cheia de frutos e flores belas. É o ápice do amor entre ambos. A Deusa reina como a Rainha do Verão e o Deus aproveita o seu auge, pois depois começará o seu declínio até renascer no Inverno.

No Solstício de Verão é então revelado que, após a união do Deus e da Deusa em Beltane, também a natureza revela o resultado do festival de fertilidade e, em conjunto com a Deusa, estão prontos para gerar vida nova. Nesta época do ano, é Ele o responsável pela continuidade da vida ao assegurar-se da fertilização dos campos e do ventre da Deusa.

Após a sua missão cumprida, ele dará um último beijo à deusa e partirá no barco da morte para morrer em Samhain. Da mesma forma, devemos ser humildes para não ficarmos cegos com o brilho do sucesso e do Poder. Tudo no Universo é cíclico, devemos não só ligarmos-nos à plenitude, mas também aceitar o declínio e a Morte.

E acho que, seja qual for o festival de que estejamos a falar, é este o aspecto fundamental a reter – tudo é cíclico. Tudo o que tem um início tem um fim. O caminho que percorremos pode ser duro, mas também tem os seus momentos em que pensamos que somos os reis/rainhas do mundo e pensamos que somos imbatíveis. Temos que ter os pés bem assentes na chão.

Litha é um festival de que gosto muito. Vejo-o principalmente como um festival de auto-motivação e de beleza. Aliás, olhem para os ciclos da roda do ano, para os seus festivais. Há maior beleza do que ver e compreender todo o ciclo? É que se virmos bem, podemos encarar quase tudo na vida desta forma. Mesmo quando estamos mais em baixo, lutamos para que nos animemos. A natureza fá-lo da mesma maneira. E muitas vezes para mudarmos, é preciso morrer primeiro para renascermos depois.

Símbolos de Litha pelo mundo:Alguns antigos costumes do Solstício de Verão:

– Na Europa, as celebrações deste festival foram absorvidas pela festa cristã de São João, cujo nome originou-se da erva usada com fins curativos e mágicos, como protecção ou para proporcionar sonhos e presságios.

– As homenagens aos seres da Natureza ou às divindades naturais também foram substituídas pelas populares e folclóricas festas juninas no Brasil.

– Antigamente, os casamentos eram celebrados em junho para garantir-se a fertilidade, sendo esta uma data muito propícia, embora diferente de Beltane, que era reservada aos ritos de fertilidade e ao Casamento Sagrado das divindades.

– Em Creta, o Ano Novo começava no solstício de verão, marcando o fim da colheita do mel. Para os cretenses, o zumbido das abelhas era a voz da Deusa anunciando a sua regeneração. O touro personificava o Deus e, ritualisticamente, era sacrificado para simbolizar a sua morte e seu renascimento das entranhas da Terra. A lenda do Minotauro representa nada mais nada menos do que a descida simbólica à escuridão, encarando os medos e encontrando os meios da renegeração, ao seguir o fio da vida tecido pela Deusa.

Blessed Be.
Awen
Texto desenvolvido por Morrighan

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!