Opinião: “Imperfeitos” de Scott Westerfeld

Imperfeitos (Uglies #1)
Scott Westerfeld

Editora: Vogais&Companhia
Nº de Páginas: 336

Sinopse:Num mundo de extrema beleza, a normalidade é sinónimo de imperfeição.
Num futuro não tão distante quanto isso, não há guerras, nem fome, nem pobreza. O mundo é perfeito. Todos são perfeitos. Pelo menos, depois de completarem 16 anos.
Qualquer um pode ter a aparência de um supermodelo… e que mal haveria nisso?
Tally Youngblood mal pode esperar pelo seu décimo sexto aniversário, altura em que será submetida à cirurgia radical que a transformará de uma mera Imperfeita para
uma deslumbrante Perfeita. Uns lábios bem delineados, um nariz proporcional, um corpo ideal… é tudo o que sempre quis. Já para não falar que uma vida de diversão num paraí so de alta tecnologia espera por si.
Mas quando a sua melhor amiga decide virar as costas a esta vida perfeita e foge, Tally descobre um lado inteiramente novo do mundo dos Perfeitos – e que, por sinal,
nada tem de perfeito. É então forçada a fazer a pior escolha possível: encontrar a amiga e traí-la ou perder para sempre a possibilidade de se tornar Perfeita.
Seja qual for a sua decisão, a sua vida nunca mais será a mesma.

Opinião: Scott Westerfeld já tinha sido uma revelação espantosa com a sua série Midnighters, mas com a série Uglies, penso que para além de se afirmar como um autor de qualidade, vai ganhar ainda mais respeito por entre as massas. Enquanto a trilogia Midnighters é de fantasia urbana, a série Uglies é de ficção científica o que também prova a versatilidade do autor.

Imperfeitos, o primeiro livro da série Uglies, deixa uma grande marca em nós. Neste mundo, aos 16 anos toda a gente se torna perfeita. Numa operação onde esticam ou encolhem a estrutura óssea das pessoas, onde as tornam simétricas, todas num padrão de suposta beleza reconhecida por todos os códigos genéticos.
Podemos mesmo dizer que o livro é todo ele uma grande metáfora num mundo distópico onde o que conta é ser-se perfeito.

Temos então Tally e Shay, duas raparigas de 15 anos que se conhecem algumas semanas antes de fazerem 16 anos. Como qualquer imperfeito da Imperfeilândia, o que mais gostam de fazer é traquinices e decidem aventurar-se fora da Imperfeilândia, nas Ruínas dos antigos Ferrugentos. Podemos encarar os Ferrugentos como a representação da nossa sociedade actual, mas mais evoluída, onde a manipulação genética está na ordem do dia. Ninguém sabe ao certo o que aconteceu para essa sociedade, dos Ferrugentos, desaparecer, mas desde cedo, os Míudos e os Imperfeitos são educados para repugnar tal estilo de vida e são incentivados para se tornarem Perfeitos. Só assim pode haver harmonia naquele mundo.
Numa dessas aventuras, Shay conta a Tally que conhece alguém que não é Perfeito e que ela também não se quer tornar perfeita. Tally acha que Shay não está a bater bem da cabeça. Quem é que não quer ser Perfeito? Quem é que quer ter uma testa grande demais, ou uns olhos demasiado juntos, ou até uma cicatriz algures? Quando Shay foge, Tally fica atónita sem saber o que fazer.

A partir dali é a aventura total. Um vício que vai crescendo em nós em que só queremos ler página após página. O autor tem a mestria de nos ir guiando, viciando, uma adrenalina que se entrenha em nós. Por vezes não sabemos bem de que lado estamos. As várias personagens têm perspectivas diferentes e mesmo Tally sendo, supostamente, a representação da típica adolescente fútil dos dias de hoje, ganhamos um carinho enorme por ela e vamos acompanhando as suas lutas interiores e as suas mudanças. O acto final dela, deixa-nos de coração apertado e só temos vontade de ter o próximo livro nas nossas mãos para mais uma vez o devorarmos.

Uma leitura que apreciei imenso e que mostrou, mais uma vez, que Scott Westerfeld é um mestre em contar histórias, desta vez duma forma mais profunda que nos faz reflectir imenso. Aconselho a toda a gente sem qualquer tipo de restrição.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
4 Comentários
Mais antigo
Mais recente Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vc
Vc
11 anos atrás

Não vejo a hora de ter toda a saga na estante 😀 😀

Vc
Vc
11 anos atrás

Já agora, sabes se vais ter passatempo para o livro "Perfeitos"?
Seria espectacular!

Carol
Carol
7 anos atrás

Preferias esta serie ou a trilogia midnighters?qual das suas aconselhas?

Morrighan
Morrighan
7 anos atrás

São estilos completamente diferentes… Midnighters é fantasia urbana e este é mais Ficção Científica. Sinceramente a minha série preferida do autor é a outra, o Leviatã 🙂

  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide