[Sobre Livros] Crónica – ‘O valor das coisas’ por Vitor Bandarra

‘O Crime do Padre Amaro’, edição em castelhano da obra de Eça de Queiroz, estava esta semana à venda por… 20 cêntimos. Por 1 euro, comprei cinco livros quase novos numa loja de artigos em segundas, terceiras e outras mãos, em plena Lisboa. Por ali, os livros têm pouca procura e valem o que valem, ou seja, quase nada.

Jovens de menos posses ignoram livros e olham gulosos para guitarras, cd e aparelhómetros vários que se oferecem por valor muito razoável. Imagina-se as mãos e as histórias por que passaram todos estes objectos. Num dos meus livros de 20 cêntimos, tentei vislumbrar o semblante da mulher que, há uns míseros 5 anos, escreveu em página interior: “Para a minha querida neta V.”

Mesmo ao lado da loja, num minimercado de produtos biológicos, outros jovens, com outras posses e outras convicções, dão por bem gastos os 20 cêntimos que pagam por cada batata – porque as coisas valem o que cada um quer pagar por elas.

Um ex-ministro ligado à cultura enche a cesta com frutas e legumes bacteriologicamente correctos e caros. Mais prosaico, um homem-forte e rico do ex-BPN não se envergonha de tentar (de novo) a sorte no Euromilhões num quiosque ali perto.

Porque as coisas valem o que valem…

Portugal e os portugueses vão ter que mostrar o que valem por muito tempo, para saírem do aperto em que os/se meteram. O meu amigo Zé dos Pneus não se cansa de repetir que, “hoje, as coisas só se medem em euros”. É público que o ganho médio mensal dos políticos aumentou 81 euros em relação a 2011 – os mesmo políticos que decidiram acabar com obras e investimentos públicos, porque não há euros, só dívidas para pagar lá fora.

Há uns 150 anos, o chefe de governo Fontes Pereira de Melo, contemporâneo de Eça, viciou-se em estradas e caminhos-de-ferro. Reduziu à força os juros da dívida pública e aumentou os impostos. Foi um escândalo, até porque credores estrangeiros logo fizeram suspender a cotação dos fundos portugueses em Londres. Aponta–se um político “impulsivo e cheio de ilusões”, que apostava forte e dava valor às coisas. Fez obra mas… esqueceu-se das pessoas.

À conversa com o Zé sobre o valor de coisas e pessoas, de livros velhos e legumes biológicos, indignei-me com o fraco valor que se dá à cultura e às suas obras. Indignou-se ele comigo, mais preocupado com os 200 euros que vai gastar com os livros escolares da filha. E fez-me contas de optimista: graças à crise, já se pode comprar a obra completa do Eça por 5 euros, mais coisa menos coisa.

Publicação original em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/outros/domingo/o-valor-das-coisas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!