Opinião: O Voo do Corvo/Raven Flight (Shadowfell #2) de Juliet Marillier

O Voo do Corvo (Shadowfell #2)

Juliet Marillier

Editora: Grupo Planeta

Sinopse: Depois de concluir a sua longa e árdua viagem até à base dos Rebeldes em Shadowfell, Neryn tornou-se uma parte vital da rebelião contra o tirânico rei Keldec. Cada passo que dá no sentido de aperfeiçoar os seus dons e afirmar-se como uma Voz poderosa e única na sua geração leva-os mais perto da meta pretendida. Mas, primeiro, Neryn terá de procurar os Guardiães das quatro Vigias para completar o seu treino e o tempo escasseia. Entretanto, Flint, o espião rebelde por quem se apaixonou, foi de novo chamado à corte de Keldec. O laço que os une é tão forte que, mesmo à distância, se procuram em sonhos, partilhando momentos preciosos – ainda que inquietantes – da vida um do outro. Os Rebeldes vêem com desconfiança este novo amor. Permitir que a emoção se sobreponha à lógica fria do movimento pode pôr tudo em risco. No fim, o amor poderá revelar-se a força motriz da esperança ou a brecha traiçoeira na armadura da rebelião.

Opinião: A história de Neryn e Flint começou em Shadowfell e a promessa de que muito ainda estava para acontecer cumpriu-se. O Voo do Corvo, continuação dessa narrativa, é uma obra que não apazigua, pelo contrário, revolve-nos por dentro semeando a ansiedade e a necessidade de avançar sempre cada vez mais na história. Acima de tudo acaba por ser um ponto de paragem obrigatório entre o início e o fim da trama, servindo mais como uma ponte entre o que aconteceu e o que está para vir. 

Neryn, depois da sua recuperação, começa finalmente algum treino físico antes de partir à procura do conhecimento que os Guardiães lhe podem fornecer para se tornar na Voz que todos esperam. É Tali quem fica encarregue de a acompanhar e assim partem as duas, rumo a um destino incerto, mas cujos resultados esperados funcionam como força motriz.

Para quem iniciou a sua aventura na escrita de Juliet Marillier com o mundo de Sevenwaters, será sempre complicado evitar fazer comparações no que toca às histórias de amor e até à contribuição das personagens femininas. Neryn não é uma personagem tão forte e empática como Liadan ou até Sorcha, nem Flint um Red ou um Bran. Talvez por ser virado para o público jovem-adulto a autora tenha optado por fazer algo mais leve, mas que ainda assim enternece os mais românticos. 

Gosto da forma como Juliet Marillier continua a aplicar a sua costela druida nas suas obras. Sendo eu uma curiosa pela doutrina druida, agrada-me a conjugação da aprendizagem da Voz com os elementos, a dinâmica do respeito e da manipulação dos mesmos sempre consciente da importância e da ligação à natureza. Cada elemento tem as suas características e a forma como cada um é abordado está original e solene.

A narrativa alterna entre boa dose de acção e emoção com alguns momentos mais parados. Ficamos muito tempo sem notícias dos Rebeldes e quando chegam nem sempre é para nos deixar de sorriso no rosto. Não esperem paninhos quentes nem finais totalmente felizes. Adorei o papel de Tali e admiro-a imenso. Também gostava de ver esta história narrada através de Flint, penso que daria uma perspectiva muito interessante e com mais informações sobre o reino de Keldec. As poucas visões que nos são dadas sabem a pouco.

Resumindo, quando se começa fica difícil largar e o fim deixa-nos a sofrer pelo próximo capítulo para que possamos fechar a história da rebelião. Tem amor, violência, crueldade, sentido de lealdade e uma capacidade de sacrifício estonteantes. A escrita é fluida e intensa e os personagens de personalidades fortes e únicas. Uma bela continuação que nos deixa a querer mais. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide