Opinião: Sombras da Meia-Noite (Raça da Noite #7) de Lara Adrian

Sombras da Meia-Noite (Raça da Noite #7)

Lara Adrian

Editora: Quinta Essência

Sinopse: Algo inumano surgiu nos confins gelados do Alasca, deixando uma carnificina indizível na sua esteira. Para a piloto Alexandra Maguire, os assassínios trazem recordações de um evento horrível que ela testemunhou em criança e evocam uma inexplicável sensação de alteridade que há muito tempo sentia dentro de si mesma, mas nunca compreendera totalmente… até que um desconhecido sedutor e sombrio com os seus próprios segredos entra no seu mundo.

Enviado de Boston para investigar os selvagens ataques e parar a matança, o vampiro guerreiro Kade tem os seus próprios motivos para regressar ao frio e proibitivo local do seu nascimento. Assombrado por uma vergonha secreta, Kade logo percebe a verdade surpreendente da ameaça que enfrenta, uma ameaça que porá em perigo a frágil união que formou com a corajosa e determinada jovem que desperta em si as paixões mais profundas e os anseios mais primários. Porém, ao trazer Alex para o seu mundo de sangue e trevas, Kade deverá enfrentar os seus demónios pessoais e o mal ainda maior que pode destruir tudo o que ele mais ama.

Opinião: Iniciei a aventura no mundo da Raça da Noite em Janeiro de 2012 e dois anos depois posso dizer que ainda não me fartei deles. A história vai evoluindo ao ritmo de uma descoberta por livro e com essa descoberta vem muitas vezes a ligação entre o protagonista e uma companheira de raça. Em Sombras da Meia-Noite chegou a vez de um dos mais recentes membros da Ordem ser confrontado com o seu passado, com os seus receios e ainda ter de desempenhar uma missão ao serviço da Ordem – Kade. Como se tal não bastasse, enquanto investiga os estranhos acontecimentos no Alasca, este cruza-se com Alex, uma mulher que de comum tem pouco e que também ela guarda um segredo que jamais ousou contar fosse a quem fosse… até conhecer Kade.

A fórmula não tem grandes segredos, mas ainda assim Lara Adrian consegue não ser repetitiva, trazendo sempre um novo obstáculo, um novo conflito que faz suspender o ar à nossa volta e devorar o máximo de desenvolvimentos possível. Com Kade e Alex mergulhamos num mundo de trevas em que o terror consiste nos segredos que guardam em relação à própria família e que de alguma forma se irão cruzar. Ela, porque a mãe e o irmão foram mortos por seres malignos, não humanos, que ainda hoje a atormentam em sonhos. Ele, porque o dom que ele e o irmão gémeo, Seth, herdaram da parte da mãe, consegue subjugá-los se não houver autocontrolo suficiente e torná-los em autênticas máquinas de matança cedendo por fim ao Desejo de Sangue tornando-os Renegados.

Em paralelo com estas duas histórias individuais, decorre a trama central de toda a série Raça da Noite. Um Antigo anda à solta e o seu neto Dragos continua desaparecido. As mortes no Alasca de inocentes não têm nada e é preciso conter a situação. Fiquei muito curiosa com o rumo que a autora deu a este tronco da história. O envolvimento do Antigo, as suas acções e reacções, surpreenderam-se e parece-me que o fim está longe de ser aquele que a autora dá a entender ao leitor, veremos.

O estilo de narrativa é semelhante à das obras anteriores, empática, emotiva, com boas doses de adrenalina pelo meio e de acção rápida. Em termos de personagens, para além de sabermos mais sobre Kade, Lara Adrian proporciona a antevisão do próximo protagonista preparando terreno para o volume seguinte da série. Sombras da Meia-Noite é uma obra prazerosa, de leitura rápida e leve com mais uma história de amor de derreter os corações mais românticos com especial empatia por passados quebrados. Venha o próximo!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide