Opinião: Morte em Palco de Caroline Graham

Morte em Palco

Caroline Graham

Editora: ASA

Sinopse: Todos os atores adoram um bom drama e os membros da Causton Amateur Dramatic Society não fogem à regra. Românticas cenas de amor, momentos de ciúme e desespero, reconciliações operáticas, egos em fúria… as emoções estão ao rubro nesta produção amadora da peça Amadeus. Todavia, até as mentes mais criativas têm de admitir que assassinar o protagonista em palco é um pouco excessivo. Felizmente, o inspetor Tom Barnaby está na plateia e assume o controlo da situação. Da ex-mulher ressabiada a inesperados amantes secretos e atores invejosos, não lhe faltam suspeitos. O que parece faltar-lhe, sim, é objetividade. O bom inspetor conhece perfeitamente todos os envolvidos, são seus vizinhos e amigos, e por isso mesmo, conseguirá ver quem eles realmente são?

Opinião: Estreei-me com Caroline Graham no primeiro volume desta colecção – Morte na Aldeia – e foi com entusiasmo que peguei em mais uma das suas histórias. Com um desenvolver de história um pouco mais lento do que aquele que esperava, Morte em Palco mostrou-se uma leitura fácil, cheia de peripécias e com muitas interrogações.

O cenário leva-nos para um palco de teatro em que os seus protagonistas são personagens muito curiosos. Cada actor tem as suas manias e todos buscam os seus momentos de ribalta, uns mais à vontade que outros. Quando existe um que é, claramente, o líder, as intrigas e invejas são mais que naturais. A peça que se prepara, Amadeus, envolve um certo grau de risco que irá elevar ainda mais a grandiosidade do grande artista central. O que não se estava à espera era que a cena tão ensaiada e cuidadosamente preparada resultasse num autêntico desastre em tom de banho de sangue.

O interrogatório começa logo de seguida e é neste intrincado desenrolar de acontecimentos que a cabeça do leitor começa a ferver com suposições e perguntas. Quem, o quê, porquê? Razões parecem existir de forma infinita, mas as motivações não se mostram de todo claras. 

Gosto da forma como a autora aborda cada personagem e, dado o tempo em que foi escrito, assume a homossexualidade e a bissexualidade de forma tão natural. Também os amores e desamores, paixões e ódios, a sinceridade e gestos desinteressados, são todos contextualizados em circunstâncias realistas e que tornam todo o enredo bastante humano, tanto nas coisas boas como nas coisas mesquinhas e dispensáveis.

O desfecho é tão previsível como inesperado. Por muito que a desconfiança nos tenha acompanhado durante grande parte da leitura, a surpresa acaba por surgir com a confirmação, afinal na minha opinião, pareciam haver candidatos mais fortes! Mais um livro da colecção Crime à Hora do Chá que se tornou uma das minhas preferidas com estes policiais tão característicos. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!