[Balanço] Os Artistas Portugueses no Vodafone Paredes de Coura V – Killimanjaro

Fotografia por Hugo Lima

Desafiei as bandas portuguesas que estiveram em Paredes de Coura a responderem a seis perguntas. Os nossos jovens e cheios de garra Killimanjaro foram os primeiros!

1.Qual é a sensação de tocar no Vodafone Paredes de Coura? Existe algo que, para vocês, o diferencie de todos os outros locais de concertos?

A principal diferença, para nós, é que é o maior de todos os locais de concertos onde alguma vez tocámos e com a maior quantidade de ouvidos apontados a nós.

2.O que pensam da hora que vos atribuíram? Sentiram-se satisfeitos ou já começa a ser cansativo a filosofia de serem os portugueses sempre a abrirem os palcos?

Não nos incomoda nada a hora. Para dizer a verdade, estamos contentes com tudo. Gostávamos de ter tocado mais alto, mas assim já foi rock que chegue.


3.Porque é que acham que isso ainda acontece?

Sei que a mágoa partilhada pelos Linda Martini deixou muita gente sensível a isto, mas sinceramente, se alguém vai dar um bom concerto, faz isso tanto às 18h como às 02h. Sei que há menos público e tal, mas compreendo muitas vezes a parte da organização. Quem lida com bandas estrangeiras sabe que tendem muitas vezes a serem picuinhas com este tipo de questões, o que não é uma característica típica das bandas portuguesas, por isso, é deixar passar a água debaixo da ponte, que ainda há muita.

4.Que passo será necessário dar para que isso mude?

Criar um terceiro palco que só funcione a partir das 22h e só com bandas tugas. Depois é esperar para ver. O público não está assim tão preocupado com estas coisas e não é por mal. Da mesma forma que não é por mal que vejo pessoal a moshar em Mac DeMarco e sentadinhos no nosso concerto. E isto não nos pode incomodar. As pessoas têm de gostar de nós porque gostam de nós.

5.Conseguiram usufruir do festival enquanto meros espectadores? 

Bastante.

6.No fim, que balanço é que fazem deste Vodafone Paredes de Coura? Querem voltar?

Como estreantes em todos os aspectos, não temos um ponto de referência para comparar a outras edições, mas gostamos e imenso e saímos de Coura arrependidos por não termos vindo anteriormente. Certamente nos encontraremos no bar da roulotte para o ano.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!