Opinião: Aqui e Agora, de Ann Brashares

Aqui e Agora

Ann Brashares

Editora: Editorial Presença

Colecção: Noites Claras #22

Sinopse: Prenna James é uma jovem de dezassete anos que imigrou para Nova Iorque quando tinha doze. Só que Prenna não chegou a Nova Iorque vinda de outro país… ela veio de outro tempo, de um futuro onde uma doença transmitida através de mosquitos se tornou uma pandemia arrasadora que deixou o mundo em ruínas. Prenna e as outras pessoas que conseguiram escapar são obrigadas a seguir um conjunto de regras muito rígido: nunca revelar de onde são, nunca interferir com o curso da história e nunca, em circunstância alguma, estabelecer uma relação mais íntima com alguém que não faça parte da comunidade. Prenna faz tudo como lhe dizem, acreditando que está a ajudar a prevenir os problemas que um dia vão assolar o planeta. Mas tudo isso irá mudar no dia em que Prenna conhece Ethan Jarves…Emocionante e arrebatador, Aqui e Agora é um romance que lança um olhar sobre um amor impossível e a oportunidade de mudar o futuro.

Opinião: Aqui e Agora é o meu romance de estreia na escrita de Ann Brashares. Numa escrita claramente direccionada para leitores jovens-adultos, a autora apresenta-nos uma estória passada nos dias de hoje, mas sob a perspectiva de alguém que veio do futuro. Prenna James, viaja do seu tempo, numa diferença de quase cem anos, para os dias de hoje. Abordando a temática dos viajantes do tempo, o enredo mostra-se simples, perspicaz em várias observações, mas carece de um desenvolvimento mais consistente. 

Foi uma leitura rápida, sem grandes sobressaltos, em que acompanhei Prenna e Ethan ao longo das quase três centenas de páginas. O início, misterioso e inquisidor, proporcionou aquele impulso que todo o leitor gosta de sentir quando começa uma obra. É a única altura onde temos a estória vista pelos olhos de Ethan. A partir desse momento, é através de Prenna que seguimos o desenrolar dos acontecimentos. O seu povo, vindo do futuro e alvo de uma peste mortífera, só pode subsistir no tempo presente, o de Ethan, se seguir um conjunto de regras rígido e sem nunca colocá-lo em causa. 

Medicação diária, óculos que nunca podem ser retirados, chamadas de atenção em momentos específicos como se fossem vigiados vinte e quatro horas por dia – é nestas condições que os Viajantes vivem. Não se podem relacionar com nativos, não podem chamar a atenção sobre si, e não seria inédito se alguém desaparecesse com alguma justificação plausível, mas falsa. É neste mundo semi-distópico que a narrativa se passa, em que a busca por uma bifurcação temporal que salve o futuro é a grande demanda dos dois protagonistas.

A acção é relativamente rápida, Prenna e Ethan vão desenvolvendo uma espécie de relação íntima em que a distância, ainda assim, tem que estar presente. O envolvimento emocional com eles acontece, mas da minha parte não foi tão profundo quanto estaria à espera. Penso que no decorrer de toda a exploração imagética da obra, faltou profundidade na caracterização dos personagens. Há alguns factos e pormenores que nos são atirados sem que saibamos bem porquê, de onde vêm ou que razões existem para elas. 

De um ponto de vista actual, estamos perante problemáticas reais e especulações credíveis. Foi isso que mais me cativou no livro. Todas as previsões que fazem já para daqui a 10 ou 50 anos, são assustadoramente possíveis e nada difícil de imaginar. Também o sentido de sacrifício e de muitas vezes as escolhas altruístas não serem de todo as que nos fazem mais felizes foi outro ponto que me tocou. Não tendo ficado completamente deslumbrada, não me arrependo de ter pegado em Aqui e Agora, e para quem gosta de leituras leves com uma pitada de amor impossível e alguma ficção científica à mistura, esta é a obra certa. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!