[DESTAQUE] Capicua lançou “Medusa”, um novo disco de «Algumas remisturas e uma ou outra coisa nova»

“Sereia Louca” faz precisamente um ano.

Um ano em que CAPICUA se confirmou como um dos maiores talentos da nova música portuguesa e uma das mais incontornáveis artistas da sua geração.

Os seus seguidores multiplicaram-se, o respeito da crítica e dos seus pares consolidou-se, e sucederam-se os concertos nos principais palcos e festivais do país.

Para celebrar tudo isto, chega “Medusa”, como um presente de aniversário.

Neste disco, verdadeiramente surpreendente, marcam presença alguns dos mais estimulantes projectos de Hip Hop e da actual música urbana de raiz electrónica.

Amigos e parceiros, que CAPICUA muito admira, convidados a manipular a sua voz e as suas palavras, usando-as em contextos absolutamente novos, na construção colectiva de um álbum de remisturas, que conta também com dois originais arrebatadores (um com Valete como convidado especial e outro com M7, a sua companheira de sempre, numa espécie de tríptico).

Sam the Kid, Virtus e D-One exploram a estética mais clássica do Hip Hop e do R&B. Octa Push, Roger Pléxico, Expeão, DJ Ride e Lewis M trilham caminhos mais futuristas, uns mais cósmicos e outros mais funcionais. DJ Marfox e Puto Anderson representam a mais fresca cena lisboeta, tão aclamada lá fora, do Afro-House pós-Kuduro, à mais moderna Tarraxinha. E White Haus, Stereossauro & Razat e Ninja Kore levam-nos para alguns dos territórios que dominam as pistas de dança actuais. Sempre com resultados surpreendentes.

Como um bom prenúncio, “Medusa” vem para festejar as conquistas do último ano, de olhos postos no tanto que ainda há para construir. E assim festejamos todos a carreira duma artista, com lugar garantido na história da música portuguesa, mas sobretudo no seu futuro.

Concertos de estreia da tour “Medusa”:

11 de Abril – Casa da Música (Sala 2) – Porto

16 de Abril – Lux – Lisboa

LETRA:

(Capicua)

Ela é medusa.

A vítima que toda a gente acusa.

E de quem a vida abusa.

Ela é Medusa e recua e recusa

E resiste, ele insitiste e arranca-lha a blusa e usa-a

Escusa, ela acua, sozinha na rua

Seminua

Semi-sua

Semi- morta

Porque mais ninguém se importa!

Ela é Medusa

O corpo pra que toda a gente aponta

Que posta, não gosta, 

faz troça, desmonta

Comenta, ali exposta na montra,

De fita métrica pronta

Examina-se a carne

E critica-se a “coisa”.

O resto não conta

É uma sombra…

É uma sombra…

É uma sombra…

_


Por cada vítima acusada

E transformada em monstro

Em cada casa, cada caso, 

Cada cara e cada corpo 

Em mais um dedo apontado ao outro, 

Cresce a ira da Medusa que me vês no rosto 

_


(Valete)

Em cima da ponte está a tua irmã desaparecida

em interação com aqueles instintos suicidas

abatida na depressão duma história nunca esquecida

vencida por um trauma de uma violação aos 15

Em cima da ponte está a mulher que bombardeiam

Por usar a liberdade sexual tão proclamada

Degolada por tantas ofensas que vocês fraseiam

Exterminada por aquele nojo daqueles que a rodeiam

Em cima da ponte está Maria Conceição

Vítima de uma relação e de um amor tirano

Marcada pela opressão e traumatismos cranianos

Golpeada por quase 20 anos de agressão doméstica

Em cima da ponte está a tua vizinha acanhada

Há muito aniquilada por esperanças que se esfumam

Há muito rebaixada por vexames que se avolumam

Envergonhada pelo próprio corpo que todos repugnam

Em cima da ponte…

_


Por cada vítima acusada

E transformada em monstro

Em cada casa, cada caso, 

cada cara e cada corpo 

em mais um dedo apontado ao outro, Oh!’

Cresce a ira da Medusa que me vês no rosto 

_

(Capicua)

Ela é Medusa

A miúda de que toda a gente fala.

Na rua, na sala de aula, e à baila

Vem ela, a cadela, a perdida, sem trela, 

Vadia, cautela com ela, 

Que é livre, e vive

A vida dela

Como se atreve? 

Aquela…

Como se atreve? 

Aquela…

Como se atreve? 

Aquela…

Ela é Medusa

Aquela de que mais ninguém tem pena

Que apanha, sem queixa, que deixa e aguenta

Aquela que pensa que o amor é pra sempre, 

E na crença, sofre em silêncio…

Só. 

Completamente só. 

Esconde a nódoa negra com o pó.

Só. 

Completamente só. 

Esconde a nódoa negra com o pó.

_


Por cada vítima acusada

E transformada em monstro

Em cada casa, cada caso, 

cada cara e cada corpo 

em mais um dedo apontado ao outro, Oh!’

Cresce a ira da Medusa que me vês no rosto 

é a minha ira, a nossa ira, a ira…

a minha ira, a nossa ira, a ira…

a minha ira, a nossa ira, a ira...

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!