[Queres é (a) Letra!] JONNY ABBEY – White – single que antecede o aguardado álbum de estreia “UNWINDING”

Jonny Abbey é uma das mais recentes relíquias da música portuguesa. Entre batidas electrónicas, teclados irrequietos, guitarras orgânicas e um transpirar de sensualidade constante, as músicas lançadas até agora pelo artista portuense, que se faz acompanhar na bateria pela Cecília Costa, mostram que estamos perante um início muito promissor, garantindo que ninguém ficará indiferente quer em concerto, quer em pista de dança. Um projecto que por aqui pretendo acompanhar de perto. Fiquem com as informações oficiais do novo single que, tenho a dizer, me faz lembrar algumas das melhores referências, como Nicolas Jaar. Parabéns!

A viagem de Jonny Abbey começou num período de introspecção passado sozinho e na companhia de outros músicos. O seu trabalho como produtor e músico de outros artistas permitiu-lhe compreender que a música não pertence a ninguém, apenas flutua, e cabe-nos a nós absorvê-la e eternizá-la à nossa maneira. Batidas electrónicas, ambientes Indie e melodias Pop caracterizam a sua sonoridade, onde a guitarra e os teclados são os instrumentos de eleição para uma combinação desinibidora do digital com o analógico.



“White” é o mais recente single de Jonny Abbey e está incluído no seu álbum de estreia, “Unwinding”, a ser lançado no início de 2017.


Composta e interpretada por Jonny Abbey, misturada pelo mesmo nos estúdios O Silo e masterizada por Andrés Malta, é a música do disco que mais retrata a vibrante cena musical electrónica presente na vida nocturna portuense.


Vasco Mendes é o realizador do vídeo coreográfico que aqui apresentamos, em que os movimentos são estudados digitalmente para se criarem formas e esqueletos digitais, abordando a tensão e a intensidade de uma jovem que decide usar a dança como escapatória ao seu quotidiano. Tal foi amplificado pelos efeitos visuais de Jay e pela coreografia e interpretação de Rina Marques.

Dress-code

Bloodshot eyes

It’s all there plain to see

There’s no need to hide

I’ve been told

She works all night

But dancing makes her feel

She ain’t due a dime

Yeah a dime


She won’t take it slow

White

But you’ve gotta let it go know

White

You’ve gotta let it go know

Right

She won’t take it slow

White

But you’ve gotta let it go know

White

You’ve gotta let it go know

Right


In the dark

Feels like home

I’ve seen this place before

But it’s all blurry now

All this money

What is it for

Well she puts it up her nose

And she goes for a ride


She won’t take it slow

White

But you’ve gotta let it go know

White

You’ve gotta let it go know

Right

She won’t take it slow

White

But you’ve gotta let it go know

White

You’ve gotta let it go know

Right

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!