[Crónica Paulo André Cecílio] Mulheres

Fotografia retirada de http://bethgibbons.net

O meu pai tem sete filhos de quatro mulheres diferentes. Naturalmente, alguns dos seus genes terão passado pelo óvulo e formado este ser que vos escreve. É que, sem querer ser bronco ou machista, tenho de dizer à boca aberta que adoro mulheres – e se estas fizerem música de algum tipo, melhor ainda. (Não peço às mulheres para me adorarem de volta; conhecendo-me, isso ser-lhes-ia impossível. Fiquemo-nos pelo platonismo da coisa.)

Por adorar mulheres, houve uma banda da qual me enamorei durante algum tempo, antes da vergonha me impedir de continuar a escutá-la – e depois da vergonha, porque a vergonha é imbecil quando se fala de coisas de que gostamos, veio o mais completo desinteresse. A banda eram os Nouvelle Vague, e surgiram na minha vida quando andava a “largar” o metal, na busca de outros sons que não os extremos. Não me lembro do que mais gostava; se das vozes das vocalistas (cujos nomes perdi no tempo, e nem sequer me apetece googlá-los), se da toada bossa nova da coisa ou se do facto de interpretarem temas que eu conhecia de outras lides, seguindo uma roupagem inteiramente distinta – algo que, nos anos formativos de um melómano, ajuda, e bastante.

Enamorado, ao ponto de os ter ido ver à Aula Magna, em 2007 (cumpre-se uma década em Dezembro), na companhia da Cátia, provavelmente a única pessoa com a qual me dava naqueles primeiros anos de faculdade e antes de lhe pôr uma pausa e, posteriormente, regressar (não à Cátia, à faculdade. À Cátia, nunca mais a vi e não aconteceu absolutamente mais nada nessa noite para além de uma dancinha durante a “Too Drunk To Fuck”, sinónimo de que uma coisa é ter genes e outra muito diferente é ter sucesso).

Mas falava de mulheres, não é? Se os Nouvelle Vague são uma nota de rodapé no diário de bordo dos vastos anos que perdi e perco a ouvir música, já os Portishead são uma daquelas bandas às quais nos referimos, bem, como daquelas bandas. O interesse era, naturalmente, diferente; lembrava-me de “Sour Times” (sim, “Sour Times”, e não “Roads” ou “Glory Box”) a rodar na MTV e de me fascinar com aquela aura noir, numa época em que eu ainda nem sabia o que era noir, mulheres ou os Portishead; 1994, 1995, 1996 foram anos de Mega Drive, Sega Saturn e trabalhos de casa. E falava de mulheres, por isso falo de uma das minhas primeiras paixões: Beth Gibbons, pois claro.

A mesma Beth Gibbons que, três meses após o supracitado espectáculo na Aula Magna, pisou o palco do Coliseu de Lisboa para, em “Sour Times”, apontar o seu dedinho na direcção do público justamente quando cantou: Nobody loves me, it’s true… Not like you do, levando centenas e centenas de corações a disparar (nem todos masculinos). A mesma Beth Gibbons que, sem que ninguém o previsse – por ser mulher e, especialmente, ser Senhora –, desceu depois do palco e veio ter com esse mesmo público, deixando-se ser acarinhada como se num concerto punk. Eu, que estava nas grades, não lavei a mão direita com a qual lhe fiz uma festinha no cabelo durante, sei lá, umas duas horas (foi o tempo de chegar a casa depois do concerto). Foi à altura o meu momento mais íntimo com uma mulher. Seja como for, não preciso de ter sete filhos. Basta ter sete irmãos…

Paulo André Cecílio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!