Opinião: ‘A Manopla de Karasthan’ – Filipe Faria

A Manopla de Karasthan

Filipe Faria

Data 1ª Edição: 09/04/2002

ISBN: 978-972-23-2863-0

Nº de Páginas: 536

Dimensões: 150x230mm

Peso: 760g

Sinopse: Na imensidão cósmica existe um mundo, Allaryia, de grandes heróis e vilões infames, de seres de uma beleza indescritível e criaturas maléficas de uma fealdade atroz, nações poderosas e impérios tirânicos. Depois de muitas eras que alternaram entre a paz e a discórdia, encontramos neste primeiro volume das Crónicas de Allaryia, um tempo de aparente tranquilidade, de uma calma inquietante, semelhante ao silêncio que antecede a tempestade. Algures, numa câmara escura, subterrânea, algo se move, tentando libertar-se de anos de cativeiro, algo monstruoso, inumano, sedento de sangue e dor. O povo de Allaryia perdeu o seu campeão – Aezrel Thoryn, provavelmente morto numa batalha contra o Flagelo, a força das trevas, em Asmodeon – e mais do que nunca precisa de protecção. Aewyre Thoryn, o filho mais novo do saudoso rei, pega em Ancalach, a espada do seu pai, decide descobrir o que realmente lhe aconteceu e parte a caminho de Asmodeon. O que o jovem guerreiro não podia prever era que a sua demanda pessoal se iria transformar, à medida que os encontros se vão sucedendo, na demanda de um grupo particularmente singular, que reunirá a mais estranha e inesperada mistura de seres – Allumno, um mago, Lhiannah, a bela princesa arinnir, Worick, um thuragar, Quenestil, um eahan, Babaki, um antroleo, Taislin, um burrik, Slayra, uma eahanna negra e o próprio Aewyre. O ritmo a que se sucedem as aventuras é absolutamente alucinante, a cada passo surgem perigos mais tenebrosos, seres aterradores que esperam, ocultos nas sombras, o melhor momento para atacar e roubar a tão desejada Ancalach… Mas os laços de amizade que unem o grupo estão cada vez mais fortes e, juntos, sentem-se capazes de enfrentar qualquer inimigo.

Opinião: Este é o primeiro livro das Crónicas de Allarya e é também o primeiro livro de Filipe Faria que leio. Ao início fez-me lembrar imenso O Senhor dos Anéis. Não pela estória em si mas sim pela caracterização. Tenho apenas a dizer que foi uma excelente experiência ler este livro!

Não conhecia a escrita de Filipe Faria, mas já tinha este livro na minha estante a chamar-me há muito tempo.

Após este grupo, tão diferentes uns dos outros, se ter juntado, a aventura começa. Aewyre como seu líder tenta comandar este grupo na sua demanda mas em que vão aparecendo obstáculos atrás de obstáculos que mesmo com as suas diferenças, o grupo une-se, cria laços de amizade (às vezes mais que isso) e conseguem ir ultrapassando as dificuldades com maior ou menor custo.

O Filipe consegue construir aqui um mundo de raiz, cheio de imaginação e com habitantes inesperados. Apesar de achar que se nota que este livro foi o seu primeiro, não nos deixa de cativar à sua leitura.

Recomendo vivamente para quem gosta de fantasia, mundos diferentes e muito humor e amizade à mistura, mesmo entre raças tão opostas.

Nota: 8/10

Prémios

  • Prémio Branquinho da Fonseca – Expresso/Gulbenkian (Infância e Juventude) 2001

Site

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vitor Frazão
Vitor Frazão
10 anos atrás

Dois pontos ficaram retidos no meu cérebro quando li o primeiro livro das Crónicas de Allaryia, há quase 10 anos: a narrativa lembrou-me uma BD (o que é bom) e o facto do autor não se ter limitado a usar as clássicas espécies presentes na high fantasy, optando por criar novas (verdade, algumas são muito parecidas com os habituais elfos, dwarfs, orcs e afins, mas têm diferenças suficientes para se distinguirem).

http://cronicasobscuras.blogspot.com/

  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide