Opinião: A Cirurgia do Prazer de Miguel Almeida

A Cirurgia do Prazer

Miguel Almeida

Editora: Esfera do Caos

Nº de Páginas: 187

Sinopse: Se a sexualidade e a moralidade, a realidade e a ficção, a descrição e a reflexão, forem exploradas em cada personagem, em cada atmosfera e em cada situação, o resultado pode ser uma viagem sensual, e ao mesmo tempo inspiradora, ao centro da comédia humana. Que dá gosto ler. E que nos convoca para a tarefa do entendimento.

Eis o desafio que Miguel Almeida assumiu com esta obra surpreendente: escrever sobre sexo, citando Nietzsche, interpelando António Quadros e discorrendo sobre o significado de um orgasmo mal comportado.

Opinião: A cirurgia do prazer, um livro de contos de Miguel Almeida, aborda vários temas sobre a sexualidade, amor e prazer. Ao ler a sinopse, fiquei com a impressão que os contos iriam ser um pouco mais “animados” do que alguns mostraram ser.

Muitos dos contos, rondam sempre uma temática mais filosófica sobre a sexualidade do que outra coisa. O que é uma imagem pornográfica? O que não é? Porque é? Porque não é? E às tantas damos conta de o conto ter terminado e o que ficou no ar foi algo para nossa própria introspecção, se assim o quisermos.

Achei bastante engraçados alguns contos em que o autor abordou temas como a traição e as reacções possíveis a uma; a diferença entre amor, amizade, paixão e prazer mostrada na prespectiva de duas pessoas já com mais de 60 anos e também aqueles dilemas, na minha óptica, mais adolescentes – Estará aquela rapariga a olhar para mim? A dar-me atenção? Será que é assim só comigo ou com mais gente? Cada conto aborda uma temática única da sexualidade e da moralidade.

Este livro tem aborda realmente coisas curiosas, mas quando o autor se excede um pouco nas reflexões filosóficas, penso que o livro perde um pouco com isso. E não esperem contos eróticos explícitos ou algo do género. Aqui só se fala sobre sexo.

Para terminar, quero só deixar uma opinião pessoal, enquanto leitora, à escrita do autor: penso que o autor deveria variar mais na forma como começa cada parágrafo. Há contos em que dois ou três parágrafos seguidos começa com “E …” “E…” “E…” ou então “E, no entanto, …” “E, no entanto…” Naqueles contos mais parados e mais filosóficos, penso que não contribui muito.

Resumindo, um livro que alterna entre partes muito engraçadas (como a reflexão de um rapaz se há-de entrar num filme porno português ou não!) e outras um pouco mais chatas em que se colocam muitas questões, mas cujas respostas temos que ser nós a encontrá-las.

Livro no site da editora

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide