Um dia no Porto na Iniciativa Não há feira, mas há escritores

Dia 22 de Junho de 2013

Eram 7h39m quando entrei no comboio na estação Lisboa-Oriente a caminho do Porto. Sendo eu nortenha de coração e havendo tanto a acontecer este fim-de-semana, não podia de todo ficar em Lisboa a imaginar como seria estar no Norte por esta altura do ano.

Fim-de-semana de manifesto Não há feira, mas há escritores e ainda de São João, é sinónimo de actividade frenética pelas ruas do Porto. Eram 17h quando me sentei numa esplanada da Praça da Liberdade e constatei que a tarde ainda tinha muito para dar. Passados uns minutos já se viam escritores por todo o lado, a banquinha com os livros à venda estava sempre cheia de gente e os curiosos que passavam e paravam era mais que muitos.

Tal como tinha sido prometido pela organização do evento, cada autor deu o seu contributo no que toca à  sua manifestação de desagrado perante a não realização da Feira do Livro do Porto. Vários aspectos foram apontados, mas o que realmente mais me tocou foi o testemunho em que se apontou claramente a falta de solidariedade com os autores e leitores. Como todos deverão ter noção, é nas feiras do livro que acaba por haver um pico de consumo literário e principalmente de interação com os nossos autores. Ora, não havendo feira, perdem os nossos autores por não venderem, perdem os leitores por não terem oportunidade de conhecer mais e melhor no que toca a literatura e, portanto, o descontentamento é certo e unânime.

Lembram-se do texto que eu escrevi para dar o meu contributo à causa? (https://branmorrighan.com/2013/06/opiniao-blog-morrighan-manifesto-nao-ha.html) Pois bem, todos os textos foram afixados em árvores e qual não foi a minha surpresa quando me deparei com o meu numa! Pensava que só os dos escritores é que iam ser afixados e acabei por ficar extremamente comovida e orgulhosa.

A tarde continuou com a leitura de alguns dos textos, a venda de livros, conversas e sessões de autógrafos improvisadas com os autores, enfim, um sem número de actividades que eram o regalo de qualquer leitor com orgulho no que é nacional.

A cidade do Porto mostrou que está bem viva e que tem voz. Ah, e que essa voz jamais será calada! Um verdadeiro orgulho. Sei que eles não vão ficar por aqui e só espero que o próximo governante do Porto tenha um pouco mais de bom senso e que não queria emburrecer e embrutecer o seu povo.

Os meus dois escritores portugueses favoritos: Luís Miguel Rocha e Afonso Cruz
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
3 Comentários
Mais antigo
Mais recente Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
helena frontini
helena frontini
7 anos atrás

Quem me dera ter podido estar presente. Sobretudo, porque poderia ter estado com alguns dos meus escritores preferidos. Oxalá a Feira volte em grande.

Caetana
Caetana
7 anos atrás

Ontem também correu bem! 🙂

Morrighan
Morrighan
7 anos atrás

Que bom :))

  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide

    Categorias do Blog

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!