[Crónica Paulo André Cecílio] A culpa é dos Lobos

Podia estar aqui a gastar o latim que não tenho a escrever sobre a importância da Sofia dentro daquilo que constitui a “cena” musical portuguesa – e que não começa nem termina apenas neste blogue -, mas, à boa maneira daquilo que tinha vindo a escrever antes de uma tremenda falta de tempo me ter cortado os dedos e as pernas, prefiro recordar: aquela viagem longuíssima até Alenquer, terra do novo Side B, para ver de perto duas das mais relevantes bandas do metal tuga do presente: os Process Of Guilt e os Löbo.

Num Hyundai cinzento que já viu melhores dias, a viagem começou na Póvoa de Santa Iria, onde nada se passa ou voltará a passar desde que o Wake Up Póvoa sofreu uma infeliz morte prematura, passou pelas portagens da A1 que me recusei a que ela pagasse e terminou numa cidade ribatejana onde perdermo-nos à procura de um bar de rock parece estupidamente fácil, até que do baixo de um prédio (quero dizer rosa) ali estava a entrada: rock n’ roll, bandas de versões a toda a hora, um ou outro concerto mais interessante para quem não tem a mínima pachorra para bandas de versões. 

A cerveja foi seguindo o seu caminho goela abaixo – o que foi chato, porque havia que conduzir depois – e aguardando ansiosamente pelo iniciar dos concertos, com os Löbo a mostrarem-se em forma (ainda que, no final, tenham dito que o concerto foi uma merda) e os Process Of Guilt a soarem tão soberbamente janados que quase nem deu para aguentar dentro da sala, tamanho era o volume (e não se aguentou mesmo, o que é bastante porreiro. Ficar surdo é o objectivo principal para quem gosta de rock e/ou metalada e não adianta dizer que não).

No final, só uma t-shirt de Process Of Guilt comprada no merch e memórias vagas do João Vairinhos a falar do filho e do facto de não gostar de bola sobraram neste recanto. Ou não, espera, sobrou outra: a ideia de que conhecer alguém que goste tanto de música quanto nós a tão poucos quilómetros de casa (quando a infância e a adolescência e a juventude adulta foi passada a falar de kizomba com amigos mainstream) é uma dádiva. E só por isso há que enaltecer a Sofia – com quem mais teria bebido copos nessa noite de tédio suburbano?

Paulo André Cecílio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide