[Os Meus Discos] Cajarana, de André Henriques

Cajarana
O design de “CAJARANA” tem a assinatura do colectivo Dobra.

Cajarana, de André Henriques

Dia 13 de Março fez um ano que Cajarana, o primeiro disco a solo de André Henriques, viu a luz do dia. Lembro-me bastante bem de quando este disco saiu e do quanto esteve em repetição nas minhas idas para a faculdade. Na altura, do outro lado do oceano, qualquer contacto com este pedaço à beira-mar era tido com cautela. Emigrar não foi fácil para mim e à distância física juntei a distância cultural para que tudo se tornasse mais fácil. No entanto, houve alturas em que me foi impossível ficar indiferente. A saída de Cajarana foi um desses momentos.

Sendo completamente fã de Linda Martini há quase duas décadas, habituei-me a ver o André armado de guitarra eléctrica e autor de letras disruptivas e viscerais num registo colectivo em que a catarse chegava nos mais altos decibéis e num estado de êxtase frenético. O que descobri com Cajarana é que o músico português consegue ter um efeito semelhante, porém num registo despido, perspicaz, direccionado à simplicidade acutilante que é rendermo-nos sem pretensiosismo àquilo que nos habita a mente, mas que tendemos a dispensar com a facilidade de quem evita olhar-se ao espelho.

E o mais engraçado é que a capa do disco, em colaboração com o colectivo Dobra, vem precisamente desse exercício: “A capa do disco é um auto-retrato cego que fiz em frente ao espelho, sem nunca olhar para a folha ou para a mão que desenhava. Fiz vários desenhos seguidos, em cada um demorava não mais do que 2 minutos. No final, ao ver todos os que tinha feito acabei por escolher o primeiro”. Este exercício de humildade e de auto-inspecção reflecte-se também nas composições do disco. É difícil colocar Cajarana numa qualquer caixa etiquetada e acredito que o processo de procura de uma prateleira onde o colocar é o próprio destino.

Nesta viagem, não só navegamos por diferentes ritmos que tanto nos embalam como nos inquietam. O mesmo acontece com as letras. Existe por vezes uma leveza na musicalidade de certas canções que contrasta com a simplicidade inquietante e desconcertante das letras. Refiro-me por exemplo a “Maria Odete”, um exemplo claro de violência doméstica ou “Para me aleijar” que é a banda sonora perfeita para aquele amor arrependido que ficou lá atrás ou que ainda estará para vir, porque “quem nunca?”.

Já “Pais e Mães e Bichos” alicia uma vibração sonora pujante a uma espécie de grito que tantos silenciam relacionado com isto da expectativa de se crescer, ter um trabalho, uma família e ainda assim perseguir sonhos sem nos perdermos pelo meio. Uma ilusão que nos incutem e que vivemos enquanto miúdos e adolescentes e que facilmente se torna num pequeno pesadelo quando lá chegamos. Ou assim interpreto, perdoem-me a liberdade. Em relação a “Platão pediu um Gin” eu sou mais de cerveja ou um bom vinho tinto, mas foi uma canção que também encontrou a sua ressonância empática.

A verdade é que o próprio início do disco avisa-nos que está na altura de nos libertarmos de acessórios e olharmos de frente para dentro com a honestidade possível – ou não tivesse André gravado “Espelho Meu” numa casa de banho em frente ao espelho com a sua guitarra acústica e o seu telemóvel. Os singles “E de repente”, “Uma casa na praia“, e “As Melhores Canções de Amor”, exploram também um pouco um ideal de enamoramento e relacionamento que são desconstruídos com uma linguagem a roçar o romântico, mas que é sobretudo incisiva na sua mensagem sem que ainda assim se perca um lado necessariamente sonhador.

Já “Tecido não tecido” é-me uma realidade ainda distante – mas adoro o ritmo e só posso imaginar a montanha russa. “O seu melhor chapéu” evocou-me um qualquer duelo por ser resolvido, entre a expectativa e a condenação, com uma sequência rítmica de registo. “De tudo o que fugi” é um corrida metafórica muito pessoal que também evoca uma fuga literal do ponto onde se está até onde quer que a vida nos leve que contrarie tudo o que nos oprimiu antes. O disco termina com “Pese embora” é o fechar do círculo em Cajarana. E o fim encontra o início através da simplicidade da melodia e da produção, com uma letra com que é fácil identificarmo-nos quando pensamos nas expectativas que outros podem ter sobre nós.

Acabei a escrever mais do que estava à espera, mas a verdade é que este disco acompanhou-me tanto enquanto estive nos Estados Unidos que serviu muitas vezes de banda sonora a uma reflexão mais profunda sobre as minhas opções e decisões, o que foi e o que é, o que gostava que fosse? Quando se sente muito é bom encontrar estes discos que nos ajudam a não sentirmos sozinhos. E é isto. Obrigada, André.

André Henriques sobre “Cajarana”:

A inspiração para o nome do álbum remete para uma novela brasileira da década de 80: “Pai Herói”. “O personagem principal, interpretado por Tony Ramos, chamava-se “André Cajarana” e eu, como era o único André na minha escola, ganhei uma alcunha que detestava. É uma memória de desconforto e de construção de identidade, duas questões com as quais me debati quando decidi fazer um disco a solo”, avança o músico.

Anos mais tarde, conheceu Ricardo Dias Gomes, músico brasileiro, que viria a co-produzir o álbum de estreia com André Henriques. “Durante um mês encontrámo-nos algumas vezes para registar as canções que me iam surgindo e pensar os arranjos. Num desses encontros disse-lhe que queria chamar ‘Cajarana’ ao disco e contei-lhe a história da novela e do desconforto que me causava a alcunha em miúdo”.

A curiosidade é que o músico brasileiro respondeu que não se lembrava da novela mas ao pesquisar na internet deparou-se com a curiosidade máxima: “Caramba, foi a minha avó que escreveu essa novela”. Ficámos os dois perplexos. Nascemos os dois no mesmo ano, em dois lados opostos do Atlântico, decidimos trabalhar juntos sem nos conhecermos e no final de tudo tínhamos entre nós esta desconcertante coincidência”.

Cajarana é um álbum feito de impulso, composto num período de 2 meses, juntando músicos em 6 ensaios e, em menos de uma semana, concluindo o álbum que vê agora a luz do dia.

É um exercício de humildade, fazer canções simples sem cair na tentação de as limar e as reescrever vezes sem conta. É um disco de impulso que quer expôr a fragilidade das canções. Como se elas exigissem o cuidado de quem escuta para não se partirem antes de chegar ao fim.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Subscrever
Notificar-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
  • Sobre

    Olá a todos, sejam muito bem-vindos! O meu nome é Sofia Teixeira e sou a autora do BranMorrighan, o meu blogue pessoal criado a 13 de Dezembro de 2008.

    O nome tem origens no fantástico e na mitologia celta. Bran, o abençoado, e Morrighan, a deusa da guerra, têm sido os símbolos desta aventura com mais de uma década, ambos representados por um corvo.

    Subscritores do blog

    Recebe notificação dos novos conteúdos e partilhas exclusivas. Faz parte da nossa Comunidade!

    Categorias do Blog

    Leituras da Sofia

    Apneia
    tagged: currently-reading
    A Curse of Roses
    tagged: currently-reading

    goodreads.com

    2021 Reading Challenge

    2021 Reading Challenge
    Sofia has read 0 books toward her goal of 40 books.
    hide